StarCraft II - Perguntas e Respostas Sobre Desenvolvimento Criativo - Parte 11

StarCraft II - Perguntas e Respostas Sobre Desenvolvimento Criativo - Parte 11

Na parte onze de nossa série, Brian Kindregan, um dos escritores principais de StarCraft II: Wings of Liberty  e escritor principal de Heart of the Swarm, responderá mais perguntas instigantes da comunidade sobre a história do jogo.

Pergunta: Em épocas de paz, o que os templários, juristas, khalai e Nerazim fazem?

Resposta: Treino, cara, muito treino!

Pergunta: No Wings of Liberty, Kerrigan invadiu vários planetas e sistemas no setor Koprulu, em busca de pedaços do artefato. Como resultado, ela deve ter encontrado várias novas linhagens para assimilar ao exército zerg. Com toda essa exploração, novas linhagens zergs foram introduzidas no Enxame?

Resposta: O Enxame encontrou bastante material genético novo, de fato! Não houve tempo para incorporar essas linhagens antes da batalha de Char, mas o Enxame está ciente de que existem outros tipos de essência por aí.

Pergunta:  Por que os protoss não evoluíram tecnologicamente no decorrer dos jogos?

Resposta: Os protoss são uma raça autocentrada. Creem que já chegaram à perfeita combinação entre tecnologia e civilização há muito tempo, e agora não demonstram interessem em mudar. Certamente existem protoss inovadores, mas em geral eles preferem o progresso metódico e estável. Os protoss prezam a estabilidade acima de tudo. Novas tecnologias costumam mudar muito as coisas.

Pergunta: Raynor e Zeratul tiveram uma visão. Descobrimos que era uma visão da Supermente e que nela aparecia o futuro (ou um futuro possível). Mas como e por que a Supermente teve essa visão, em primeiro lugar?

Resposta: A consciência da Supermente foi moldada pela entidade conhecida por nós como Voz das Trevas. Durante esse processo, a Supermente foi exposta a alguns dos planos da Voz das Trevas para o futuro. Sensações, ideias, imagens e conceitos confusos e fragmentados. Nada de claro nem de concreto. Essa visão foi uma narrativa que a Supermente construiu a partir de pedaços isolados, e foi tudo o que pôde reunir no tempo que passou com a Voz das Trevas.

Pergunta:  Há possibilidade de o Enxame manifestar algo como compaixão se os zergs pararem de ser guiados pelo único objetivo de destruir os protoss?

Resposta: As diretrizes e parâmetros operacionais que impediram a Supermente de obter completo livre arbítrio foram em sua maioria subvertidos quando a Rainha das Lâminas, uma terrana infestada que reteve muito de sua consciência, assumiu o poder. (Como eu disse em outra parte, ainda havia alguma influência da Voz das Trevas, pois ela ainda tinha bastante agente mutagênico em seu sistema, mas sua consciência não zerg lhe deu um grau considerável de liberdade.)

A partir desse ponto, os zergs tornaram-se capazes de agir da mesma maneira que sua líder era capaz de agir. Mas por que a líder do Enxame iria querer ou precisaria demonstrar compaixão? Compaixão não ajudaria a expandir o Enxame, e é improvável que alguma outra raça fosse aceitar o Enxame como aliados ou iguais.

Pergunta:  Se os zergs são formas de vida biológicas, como eles conseguem sobreviver viajando pelo universo sem ar, escudos e armaduras?

Resposta: Eles podem se adaptar a tais ambientes. A questão de como conseguem fazer coisas sem ferramentas é uma maneira humana de encarar o problema. Quando não conseguimos fazer algo, construímos uma ferramenta que faça por nós. Uma raça que pode se adaptar e evoluir tão rápido simplesmente não pensa dessa forma. Como exemplo, há criaturas que prosperam no fundo do oceano aqui na Terra, em locais aonde nossas ferramentas e equipamento só recentemente nos permitiram chegar.

Pergunta: O "novo" Jim Raynor parece meio fraco. Ele parece ter se esquecido de Fênix e de todas as coisas abomináveis que Kerrigan fez, e, mais do que isso, matou o melhor amigo por causa dela. Já não é mais o guerreiro durão de SC1. Por quê?

Resposta: Quando as pessoas passam por eventos traumáticos, isso lhes custa algo. Elas processam o acontecido por bastante tempo e tentam lidar com o trauma de maneiras diferentes. O Jim Raynor de Wings é um homem que foi e voltou ao inferno várias vezes, o que certamente fez com que mudasse. 

Quem você acha que é mais heroico: um personagem que passou por toda aquela dor e sofrimento mas conseguiu superar o trauma, se reergueu e voltou a ser um guerreiro durão, ou um personagem que é só um guerreiro durão o tempo inteiro? Eu sei o que eu acho disso, mas as opiniões a respeito podem variar. :)

Pergunta: Zergs respiram no espaço ou levam oxigênio (ou seja lá o que eles respiram) consigo?

Resposta: A maioria dos zergs não está adaptada para viajar pelo espaço por conta própria. A maior parte viaja dentro de zergs maiores adaptados para isso, como os leviatãs. Os zergs vistos no espaço ou têm vastas reservas de oxigênio consigo, ou se adaptaram de forma a não precisar de oxigênio. Depende de que tipo de adaptação você está falando!

Pergunta: Por que Tychus Findlay, que sempre fuma charuto dentro da armadura, nunca se sufoca?

Resposta: Eu preferia dizer que era por causa das bombas de circulação de ar da armadura. Mas a verdade é que ele é um cara muito durão.

Pergunta: Tem alguma relação entre Tychus Findlay e a mulher desenhada em sua armadura?

Resposta: A mulher é Kyla Velassi, uma artista popular que aparece no texto na parte inferior da tela quando as notícias da UNN são transmitidas. Se você conseguir ler, vai ver que ela tem toda uma história ali.

Esse desenho já está na armadura quando ele acorda do sono criogênico. Então ou alguém pôs a imagem lá enquanto ele dormia, ou Kyla já está por aí há um bom tempo e ainda dá no couro. Talvez as celebridades do setor Koprulu tenham sua versão do Botox!

 


Se você quer mais informações sobre a história, eis a parte 1 do nosso Perguntas e respostas sobre desenvolvimento criativo,a parte 2a parte 3,a parte 4, a parte 5a parte 6a parte 7parte 8 ,  parte 9 e parte 10. Teremos muito mais perguntas e respostas para você nas próximas semanas.

Carregando Comentários...

Um erro ocorreu durante o carregamento.