Ospherat o Mago das Pragas - Capitulo IX - 1

Arquivos Horádricos
O PALÁCIO DE OSPHERAT. - Parte I

Já em Nova Tristram, Cruzado e Lyndon seguem logo para o porto a procura do Barqueiro.

Vocês de novo, exclama o barqueiro, sim, precisamos que nos leve de volta a ilha, diz o Cruzado.

O que? Você deve estar brincando, fala o Barqueiro, só volto àquela ilha morto, e mesmo assim contra minha vontade, estão loucos, quase morri de medo lá, não volto nem que me paguem o dobro.

Era exatamente isso que iriamos te oferecer, mas tudo bem, vamos procurar alguém que queira esse ouro.

Esperem, diz o barqueiro, o que eu não faço pelos meus amigos Nefalens, quando desejam partir.

Assim que os outros chegarem, prepare tudo, voltaremos em breve, responde Lyndon ao barqueiro.

Mas nas mesmas condições, só os deixo e volto, fala o Barqueiro.

No dia seguinte, o grupo já reunido novamente, encontram o Barqueiro, está tudo pronto? Já podemos partir? Pergunta o Cruzado.

Se me trouxeram o ouro, sim, é só subir a bordo.

Então todos já a bordo da embarcação, partem novamente para a ilha amaldiçoada.

Cruzado nota em um canto na embarcação Caçador e Lyndon sussurrando.

Lyndon pergunta ao Caçador: notou algo diferente em Irina? Agora você falando, noto que ela está usando umas roupas diferentes, responde ele.

Só isso? Olha como ela está mais vibrante mais exuberante, olha para o rosto dela, mais bela, está discretamente pintada.
Achei que era pintura de guerra, fala o Cruzado, se intrometendo na conversa.

Vocês nada entendem de mulheres, diz Lyndon aos dois.

E você entende Lyndon! Fala o Caçador.

Se entendo? Sou mestre no assunto. Responde Lyndon.

E por falar nisso, já tirou Abiana da cabeça? Pergunta o Cruzader.

Há Abiana, que formosura, mas acho que não daria certo.

Bom saber que tens ainda um pouco de juízo, fala Cruzado.

Algum tempo mais tarde, dessa vez com um mar calmo e tranquilo desembarcam em solo firme, se despedem do Barqueiro, que começa seu retorno ao porto, agora em segurança com boa visibilidade.

O grupo então se dirige rumo a cachoeira à procura da passagem atrás da queda d’água, conforme descrita por Abiana.

No caminho se deparam com mais monstros, que de um a um vão sendo mortos impiedosamente pelo grupo.

Vamos, subiremos por ali, aponta o Caçador, avistando uma trilha que os levará a queda d’água.

Vejam, exatamente como Abiana nos falou, fala o Monge ao encontrar a passagem, sigam com cuidado, está muito escuro aqui.

Logo chegam ao fim da passagem, de onde avistam o palácio a poucos metros deles.

Olhem a masmorra como esta iluminada, deve ser lá que os monges estão, vejo também muita brasa ao pé do palácio, creio vir do fosso de lavas no calabouço, fala o Bárbaro.

Todos seguem para o palácio, enfrentando novamente uma horda de monstro.

Ao chegarem ao palácio, que está fortemente protegido por diversas criaturas, começam uma batalha que parece não ter fim.

Com suas espadas afiadas e magias vão combatendo a todos, até eliminarem o forte grupo de criaturas.

Já há poucos passos da entrada do palácio, se deparam com um jovem morto dependurado a uma arvore, se decompondo e cheirando a podre. Onde se pode ler num pedaço de madeira pregado a ele “Isso é que acontece com quem tenta fugir ou trair nosso mestre Ospherat”.

Trata-se de James, pobre rapaz, exclama a Arcanista.

Esse aviso sugere que deva haver pessoas feitas de escravos por Ospherat, libertaremos todos, diz o Cruzado.

Um ódio avassalador e um sentimento de dor por Abiana invade seus corações.

Assim que entram no palácio, começa então uma carnificina, monstros e criaturas vão sendo esquartejados e despedaçados por eles.

Não deixam um só cômodo do palácio para trás, um a um vão sendo explorados e as criaturas encontradas eliminadas.

Libertam enfim todas as pessoas que foram feitas de escravos.

Caçador pergunta a um escravo libertado por ele, onde fica o calabouço, o escravo lhe diz, siga por esse corredor, ao final, encontrará os aposentos de Ospherat, só se chega ao calabouço por lá.

Ao invadirem os aposentos, deparem-se com 2 monstros que fazem a guarda do local.

Nossa, veja o tamanho deles! Exclama Lyndon.

Vamos acabar com eles, fala o Bárbaro.

Mas os monstros além de enormes são muito poderosos, a tarefa se torna muito difícil, um com o poder arcano e outro com poder ígneo, exigem do grupo muito sacrifício na batalha.

Mas novamente o grupo se faz vitorioso e conseguem vencer os poderes do mal.

Vamos vasculhar todo esse lugar, encontrem a passagem para o calabouço, diz o Caçador aos demais.

O lugar é grande, com 4 antessalas, numa delas Lyndon encontra o portal que Abiana comentou.

Encontrei a sala do portal, diz Lyndon ao grupo.

Em outra sala, o Cruzado encontra um alçapão que parece ser a passagem para o calabouço, enquanto os demais se surpreendem com a quantidade de baús, joias e ouros que encontra nas demais salas.

Junte-se à conversa

Voltar ao fórum