Crônicas de "Berserk o Imortal" ATO IV Final

Arquivos Horádricos
“No fim só os fortes prevalecem”.

“Berserk o Imortal”

ATO IV “A INVESTIDA DE BAAL”

Parte final.

Caminhando em direção a Maria, Timok pretende acabar com tudo aquilo logo, mas reconhece que aquela mulher conseguiu aniquilar quatro de seus servos e é merecedora de sua atenção. Timok então anda cada vez mais depressa em direção a Maria até chegar a ponto de correr. Ele segura seu machado com as duas mãos, será um ataque de carga rápido e poderoso, nenhum humano jamais sobreviveu a esse movimento. “Timok o obliterador da fé” está dando a aquela mulher a honra de morrer por um ataque fulminante. Porém algo acontece antes que Timok conclua sua investida, um enorme impacto vindo da terra o atordoa. Ele sente que vai cair, então antes que isso aconteça, ele se apóia com seu machado, parando de correr. Maldito seja aquele Bastião, usou um momento oportuno para me atacar pelas costas, pensa Timok enquanto se recupera. Logo ele sente uma forte dor em sua perna. Aquela mulher também se aproveitou e está me atacando, um ataque muito preciso, pois encontrou as frestas de minha armadura pensa Timok. Então quando a tontura começa a passar Timok sabe que está na hora de dar o troco. Ele irá aniquilar aqueles dois bárbaros de uma única vez. Ao se recuperar completamente ele tem uma surpresa, o Bastião não se moveu de seu posto, essa mulher fez tudo isso sozinha? Pensa Timok enquanto olha para os lados e confirma sua teoria. Essa mulher fez muito bem até agora, conseguiu me ferir, mas terá uma surpresa muito desagradável quando puxar sua lança pensa Timok enquanto ergue seu machado para atacar Maria. Então é quando Maria desenterra sua lança da perna do grande demônio. Está na hora de sentir o sangue do inimigo. Maria sempre adorou se banhar com o sangue do inimigo, isso a fazia se sentir mais forte, sua sede por sangue inimigo era insaciável, quando mais sangue ela se banhava, mais ela queria. Porém esse sangue era diferente, aquele sangue a queimou como fogo, não, pior que fogo, parece que Maria acabara de cair de cara no inferno ardente. Mesmo com todo aquele sangue queimando todo seu corpo, Maria teve que ignorar aquela dor e se concentrar em se defender daquele enorme machado que estava vindo em sua direção. Colocando seu escudo na frente ela recebe todo o impacto e é arremessa alguns metros para trás.
– Malditos sejam esses escudos indestrutíveis - Diz Timok andando em direção a Maria. Maria aproveita a queda para rolar no chão e tirar um pouco daquele sangue dos infernos e se levanta em seguida. Maria então o encara e começa a rir, jogando seu escudo fora.
- Do que está rindo humana? Sua sanidade a abandonou? – Diz timok se aproximando cada vez mais.
- Estou rindo porque você está prestes a cair em desgraça. Volte para o inferno!!!!! –
Segurando a lança com as duas mãos, Maria da um pequeno salto e encrava sua arma no chão criando um terremoto tão forte que abre uma enorme fenda que vai em direção a Timok, logo a fenda toma tamanha proporção a ponto de engolir o grande demônio. Timok cai em meio a enormes pedras dentro da fenda criada, que de tão profunda não se dá para ver o seu interior. Se eu com minha lança consegui atravessar sua perna, com certeza essas enormes pedras o esmagaram por completo, pensa Maria escorada em sua lança por estar exausta após usar o movimento.

Naquele momento o grupo de Berserk urra em um único grito vibrando com a derrota do grande demônio, os poucos que sobraram da elite de Timok estavam sem reação não acreditando no que acabara de acontecer. Nesse momento os bárbaros terminam o serviço e acabam com a vida do resto dos demônios que não apresentaram nenhuma resistência após ver a derrota de seu líder com os próprios olhos. Após o ultimo demônio tombar todos comemoram e gritam o nome de Maria que sozinha derrotou o chefe da elite de Baal, Berserk ergue seu malho e diz:
- Um viva para “Maria tomba homem”, que prevaleceu sobre “Timok o obliterador da fé” –

Maria por sua vez não era do tipo que comemorava, escorada em sua lança ela encara a fenda imaginando se realmente o demônio estaria morto lá embaixo. Porém os temores de Maria se tornaram reais, de dentro da fenda uma mão grande se agarra na borda, logo a outra enterra o cabo do machado no chão para conseguir apoio para subir. Era Timok envolto em uma aura translúcida e visivelmente sem nenhum arranhão. Imediatamente as comemorações cessam e todos se armam encarando o grande demônio. Timok depois de terminar de escalar diz:
- Tolos, os bárbaros de Arreat podem ser guerreiros com força sem igual, mas no fim das contas são apenas humanos, já atravessei eras com inúmeras vitorias, vi gerações e gerações de humanos nascerem e morrerem de velhos, para mim, humanos não são mais do que meros insetos –
Timok abre sua mão esquerda conjurando uma esfera de energia branca, da esfera criada se espalham várias esferas menores que ao chegarem a seu destino crescem do tamanho da esfera original. Logo crescem ponteiros com quatro metros de comprimento e giram numa velocidade impressionante.

Logo vários bárbaros caem no chão partidos ao meio, foi tudo muito rápido, desde a criação da esfera até a morte dos bárbaros, poucos ficaram de pé e Timok intencionalmente lançou as esferas de uma forma que Maria não fosse acertada e não pudesse escapar.
-Parece que chegou a seu limite humana, farei com que sua morte seja rápida, porém quando essa guerra acabar, irei requerer sua alma no inferno, a dor que sentiu quando meu sangue a atingiu não será nada comparado a o que sofrerá em minhas mãos no inferno – Diz Timok enquanto sua aura translúcida se desfaz. Fechando o punho Timok esmaga a esfera fazendo com que todas as outras esferas explodam. No fim Timok se surpreende, aquela mulher estava no chão, mas ainda respirava.
-Existem humanos assim? - Diz Timok enquanto levanta o machado para dar o golpe da misericórdia. O machado desce veloz, quando acertar irá decapitar Maria, ele quer aquela cabeça como prêmio. Porém algo desvia a trajetória de seu poderoso machado. Foi Berserk que o desviou com seu malho, acertando arma com arma. Timok se surpreende e pensa como esse bárbaro conseguiu desviar meu golpe usando apenas uma das mãos? Nunca havia sentido uma força tão grande. Então Timok diz:
-Bastante imprudente deixar seu posto bastião, essa mulher deve representar muito para você-
-Não se preocupe com meu posto, o único que sobrou foi você, agora já posso me movimentar por toda essa área sem me preocupar – Diz Berserk dando um salto na altura da cabeça de Timok e desferindo um golpe lateral. Timok se defende com seu machado, mas o impacto da pancada foi tão forte que ele se desequilibra dando três passos para trás. Então sem dar aberturas para contra ataque, Berserk continua suas investidas contra Timok que recua. Logo os bárbaros que sobraram pegaram Maria e a levaram para a porta da caverna, curando seus ferimentos com poções e montando guarda enquanto o bastião de Arreat entra em ação.

Timok observa seu adversário dos pés a cabeça e não encontra aberturas exceto uma. Aquele pequeno escudo madeira-ferro virará pó com um ataque bem dado com seu poderoso machado, é lá que Timok irá investir. Acertando o ponto mais fraco o resto desaba, e a vitória estará garantida. Berserk sabe que virá o primeiro ataque do inimigo, ele então se recorda do dia em que recebeu o seu escudo das mãos de Milton e de suas palavras:
-Krogh, este é o “Portão Anormal” o seu premio por ter se tornado bastião de Arreat- Berserk então olha e diz:
-O que tem esse pequeno escudo de tão especial? Isso serve para o lixo, se partirá em mil pedaços no primeiro golpe que eu bloquear, isso se eu bloquear por que ele é pequeno, não protege nem meu tronco por inteiro-
Então Milton sorri e diz:
-Exatamente isso que ele tem de especial Krogh, você sabia que ele é indestrutível?-
Berserk olha desconfiado e diz:
-Indestrutível? Nem passou pela minha cabeça, mal parece ser mágico-
Milton então diz:
-A magia contida nesse escudo trás ao usuário total vantagem numa batalha, porque ela cria má impressão sobre todos que olham o escudo, fazendo-os ter certeza que o escudo é a parte mais fraca da armadura. A magia é tão forte que faz os maiores guerreiros do mundo em batalhas épicas cuja todas as armas e armaduras mágicas são indestrutíveis, pensarem que esse escudo irá se partir no primeiro golpe, e é ai que vem a vantagem, você portando esse escudo sempre saberá onde será o primeiro ataque do oponente, então poderá contra-atacar num golpe mortal. Mas só funciona com o primeiro ataque, depois que o inimigo se certificar que o escudo é indestrutível, não mais tentará quebrá-lo. Além dessas habilidades ele também lhe concede uma precognição mesmo que pequena, mas que lhe garantirá uma enorme vantagem ao se defender, e juntamente com o anel “Lanterna da Justiça” sua precognição ficará ainda mais aguçada-

Berserk se posiciona com o escudo em frente ao seu rosto e o outro braço aberto segurando o malho um pouco atrás de seu tronco. Timok ergue seu machado com as duas mãos e atacará de cima para baixo, depois que o escudo se partir ele acertará o bárbaro bem na cabeça, essa batalha já está vencida. Timok desce o machado com toda sua força, numa velocidade incrível para alguém de seu tamanho. Berserk então posiciona o escudo uns trinta graus para a esquerda e espera um impacto bem forte. O impacto foi em cheio no escudo que devido a sua posição desviou a trajetória do machado para o chão onde o resto da força feita por Timok foi dissipada. Berserk agora age rapidamente e da um salto em direção ao ombro de Timok pois devido ao seu tamanho, se mirasse na cabeça Timok teria chances de se defender. O golpe de Berserk é certeiro e estraçalha o ombro do demônio juntamente com sua ombreia que agora não passa de estilhaços voando pelos ares.

Timok da um grito de dor com sua voz cavernosa, e uma enorme labareda de fogo sai de dentro de seu capacete. Timok não usará mais seu braço esquerdo.
-MALDITO BÁRBARO COM SEUS TRUQUES, IREI TE ESFOLAR VIVO, ARRANCAREI SUA PELE COM MINHAS PRÓPRIAS MÃOS – Grita Timok com fúria.
-Pelo menos sobrou uma mão para me esfolar, senão não acreditaria no que acabara de dizer- Berserk diz com sarcasmo.
Timok avança contra Berserk desferindo vários golpes, Berserk se defende facilmente com seu escudo e ao encontrar uma brecha contra-ataca acertando Timok no peito e despedaçando uma parte de seu peitoral.
-Pelo jeito essa armadura dos infernos não é páreo para meu malho- Diz Berserk tentando enfurecer Timok ainda mais.
-Maldito humano, sua alma será minha depois que eu te enviar para o inferno- Diz Timok enquanto novamente conjura a esfera, Berserk se vê cercado de esferas brilhantes por todos os lados. Ele olha em volta e diz:
-Brincadeira de criança – Logo Berserk salta em direção a Timok deixando para trás todas as esferas. Timok é surpreendido e quando ele esmaga a esfera original explodindo as outras já era tarde demais, Berserk já estava aterrissando perto dele. O impacto atordoa Timok que sente uma imensa dor em seu joelho e é obrigado a se abaixar. Berserk vê a oportunidade de vencer a batalha naquele momento, Timok está em sua frente incapacitado com a cabeça abaixada, um único golpe é suficiente para afundar aquele crânio e mandar aquele demônio de volta para o inferno ardente. Então ele golpeia a cabeça do demônio, mas antes que ele conclua seu golpe aquela aura translúcida novamente envolve Timok e seu golpe atravessa por dentro do demônio como se tivesse atravessando um fantasma. Timok então se recupera e se afasta um pouco dizendo:
-Essa magia consumirá o resto de minha vida nesse plano, não importa minha missão está concluída, Baal está prestes a profanar a pedra das almas, mas antes de partir levarei você comigo - soltando uma gargalhada cavernosa Timok se multiplica em três. Berserk está duplamente surpreso, por causa da magia e pelo que Timok havia dito, então ele pensa: será um blefe? Milton e os outros líderes estão lá dentro junto com a pedra das almas, e ninguém passou pela porta da caverna, nenhum portal pode ser conjurado para dentro daquela caverna a menos que...
-Fomos traídos – Diz Berserk em um tom que apenas ele mesmo conseguia ouvir.
Logo Berserk grita para os bárbaros que estão na porta da caverna:
-DEPRESSA, VÃO VERIFICAR A PEDRA DAS ALMAS, BAAL PODE ESTAR DENTRO DA CAVERNA – Imediatamente eles correm para dentro da caverna, exceto Maria que ainda não tinha condições de andar.

Berserk agora tinha duas preocupações, se o que Timok disse foi verdade, ele tem que entrar naquela caverna o quanto antes. A outra é que agora existem três Timoks, se defender de um era fácil, mas de três será difícil. Timok e suas cópias flanqueiam Berserk e atacam incessantemente. Berserk conseguia se defender com seu escudo e esquivar da maioria dos golpes, porém algumas vezes sofria arranhões que seriam insignificantes se não fossem causados pelo machado de Timok, que queimava como o próprio inferno. Berserk continuou evadindo e se defendendo esperando o momento daquela maldita aura acabar e poder contra-atacar. Ele não podia vacilar, pois se qualquer um daqueles ataques o acertar em cheio será seu fim. É quando a aura se dissipa e rapidamente Berserk segura seu malho com ambas as mãos e começa a girar. Agora Berserk se defendia de uma maneira diferente, ele girava se esquivando de alguns golpes e desviando outros com seu malho, porém agora ele era acertado com muito mais freqüência. Logo ele chega perto das pernas do primeiro Timok e estraçalha os joelhos do mesmo, a medida que vai caindo recebe vários golpes de Berserk que ao mesmo tempo que ataca se evade e se defende do ataque dos outros dois até chegar na cabeça onde o golpe giratório final é desferido. Porém algo terrível acontece, quando aquele Timok morre dois se levantam de sua carcaça. Berserk então continua a girar levando cada vez mais golpes a cada Timok morto, tudo que Berserk pode fazer agora é suportar toda aquela punição até a magia de Timok acabar. Depois de pouco tempo já existiam uns vinte Timoks. Berserk já estava nas ultimas e não tinha a mínima idéia de quando aquela maldita magia terminaria, mas se caísse naquele momento, iria falhar como Bastião de Arreat. É quando Berserk se recorda da época em que empurrava aquele maldito moinho, que a cada vez que um escravo morria o moinho ficava mais pesado, e quanto mais pesado o moinho mais rápido morriam outros escravos, até sobrar somente ele, que nunca desistiu e venceu aquele moinho. Se mesmo sem treinamento Berserk não sucumbiu não seria agora que sucumbiria, depois do maldito treinamento de Milton que quase o matava todos os dias. Perto de Milton Timok não era nada. Então Berserk encontra forças através da força de vontade e determinação e começa a girar mais rápido ignorando toda aquela dor e estraçalhando cada vez mais joelhos troncos e cabeças até chegar a um momento que Berserk já não sente nenhum joelho, ou cabeça, ou tronco na frente de seu malho, parece que por um momento perdeu a consciência e a recobrou quando não sentiu mais nada em frente ao seu malho, então ele para de girar e vê mais de vinte Timoks no chão e um ultimo olhando para ele dizendo:
-Por que você simplesmente... Não... Morre?- Logo todos os Timoks começam a brilhar e explodem numa bola de fogo arremessando Berserk para perto da porta da caverna. Berserk está tonto, desorientado, olha para sua mão e não sabe onde foi parar seu malho. Não conseguindo se levantar ele se arrasta em direção a caverna e sente uma pequena mão sobrepor a sua, ele olha e vê Maria, depois somente escuridão.

Depois que Berserk perde a consciência, o lendário bárbaro juntamente com seus quatro companheiros que prevaleceram sobre Diablo aparecem com mais dois novos integrantes e adentram a caverna para derrotar Baal. Eles obtêm vitoria sobre Baal, mas não antes de Baal profanar a pedra das almas.

Berserk abre os olhos e vê um céu estrelado, já anoiteceu, alguns bárbaros haviam cuidado de seus ferimentos e outros ainda estavam caídos. Berserk olha para o lado e vê Maria de pé, ele então se levanta e olha para todos que estavam com expressões de tristeza em seus rostos, Maria olha para Berserk e diz:
-A pedra das almas... -Berserk percebeu em sua face que seu orgulho estava despedaçado e pergunta:
-Onde está Milton?- Maria só faz um gesto negativo com a cabeça.
Um dos bárbaros do grupo de Berserk diz:
-A pedra das almas foi profanada, agora a barreira que impedia a entrada dos demônios em santuário foi quebrada. Estamos todos condenados-
Berserk se vira repentinamente e diz:
-NÃO!!!!! Não permitiremos que isso ocorra, nós combateremos os demônios com todas as nossas forças, até não sobrar o ultimo de nós em pé-

Depois de suas palavras Berserk percebe que a vontade de lutar dos Bárbaros foi destruída juntamente com a pedra das almas. Berserk olha para Maria que não consegue encará-lo, então ele olha para Balduk que olhando para o chão deixa suas armas caírem, pois não tinha mais vontade de segura-las. Depois de Balduk vários Bárbaros deixam suas armas caírem. Berserk se senta e não diz mais nenhuma palavra naquela noite.

No outro dia diante do tumulo de Milton Berserk diz:
-Milton eu juro perante seu túmulo que devotarei minha vida a acabar com os planos do inferno em Santuário. Não consigo mais permanecer em Arreat e encarar esses bárbaros que perderam sua fé, talvez um dia eles a recuperem, e quando esse dia chegar eu retornarei. Por enquanto vagarei por santuário sem rumo procurando por alguma movimentação do Inferno. Sua morte será vingada. Descanse em paz... Amigo-

Berserk então segue sem rumo por santuário como um andarilho anônimo. Vinte anos se passaram e Berserk ainda vivendo no anonimato não encontra nenhum indício de qualquer movimentação do inferno. Porém isso não o impediu de continuar sua busca. Em uma noite fria de lua cheia, Berserk caminha sobre um baixo nevoeiro perto de uma cidade chamada Nova Tristran. Nos céus Berserk avista uma estrela cadente que parece ter caído perto da cidade. Então no fundo de sua alma, algo lhe dizia que aquilo não era uma estrela cadente, então Berserk caminha em direção a pequena cidade chamada Nova Tristran para saber se a tal estrela cadente teria alguma ligação com o inferno...

Bom, a partir desse momento todos já conhecem a história.

FIM.
Agradeço a todos que acompanharam, comentaram ou gostaram. Convido a futuros escritores a postarem suas histórias nessa parte do fórum, seria muito bom ver a saga de uma outra classe por exemplo mostrar sua história até chegar a Nova Tristran e se encontrar com Berserk para juntos enfrentarem Diablo. Também convido vocês a darem uma olhada em meu outro conto "O condado de Whimsy" e comentarem, por que é através dos comentários saberei se o pessoal ta gostando de minhas histórias. Por enquanto parei de jogar Diablo mas de vez em quando entro aqui para ver as novidades ou se tem um conto novo. Valeu pessoal.
... foi quando, a caminho do pequeno vilarejo, avista uma silhueta na densa neblina... sua forma se tornava mais clara a medida que se aproximava. " Será um lacaio do inferno? " - Indaga-se Berserker, para si mesmo desembainhando seu malho de guerra. Logo, aquilo que a instantes atrás não passava de um vulto torna-se visível... eis que surge da neblina, um guerreiro tão grande quanto ele mesmo. Usava uma armadura que há muito não se via... o brilho da pesada couraça adornada por tribais em antigas escritas rúnicas em seu tronco, ainda é visível mesmo debaixo de manchas de fumaça, terra e... sangue. Seu martelo de guerra... tão antigo quanto... com os mesmos adornos da couraça, porém em sua extremidade de ataque, emite uma estranha energia que se dissipa a uma certa distância. Seu tamanho, porte e vestes por baixo das placas de aço denuncia que se trata de um guerreiro vindo de Arreat. Seu elmo, no lugar dos tradicionais cornos de bestas abatidas, era enfeitado por longas protuberâncias laterais que mais lembravam as asas de um pássaro. " Acalma-te, rapaz... " - diz o guerreiro passando sua arma para o braço esquerdo em sinal de boa fé e com a mão direita remove seu elmo de sua fronte revelando seu rosto. Um homem de semblante sisudo e olhar firme, aparentando meia idade ou mais, onde o número de cicatrizes sobrepuja as rugas, longos cabelos brancos e barbas grisalhas que atingem o seu peitoral. Apesar da avançada idade, sua postura e voz se iguala a de um jovem em seu apogeu. Com uma voz baixa e gutural, o velho guerreiro se adianta: - " Avistaste o fogo cortando o céu, não? Parece que compartilhamos do mesmo destino... vamos, não há tempo a perder... tu lembras o meu filho que há muito me foi tirado... " - dizendo isso, colocou seu elmo a cabeça, apoiou a haste de sua imensa arma em seu ombro esquerdo e pôs-se a caminhar. " Depressa, rapaz... ou outros tomaram o seu lugar na morte... Há propósito, me chamo Hexor..." - completou o velho. Berserker, ainda desconfiado e incomodado com a arrogância do estranho, sem ter muita opção, faz companhia ao velho de modos rude cuja postura, de um verdadeiro monarca. Esta noite, Nova Tristran estremecerá sob os pés de dois gigantes de Arreat...

Junte-se à conversa

Voltar ao fórum