A Ordem da Lua Crescente será Reativada

Recrutamento de Guildas
Boa tarde!

Esse tópico tem o objetivo de divulgar que a Ordem da Lua Crescente (Guilda com foco em RP, no Goldrinn) será reativada.

Para quem não a conhece, a Ordem da Lua Crescente é uma guilda com foco na interpretação de personagem (RP) que foi inicialmente criada no servidor Gurubashi-US e transferida ao Goldrinn com a vinda da Blizzard para o Brasil.

Desde o fim do Pandária a guilda vinha sofrendo uma desaceleração de suas atividades, sendo por fim desativada ao final do WoD.

Agora, com o BfA a caminho a guilda retomará suas atividades
Contudo não será apenas uma reativação, mas uma reformulação da guilda...

Nos tópicos abaixo, existe uma explicação sobre como a guilda se desenvolveu até aqui e qual é a proposta a partir de agora.
Sobre a Ordem On-RP

A base do Lore e do RP da Guilda tem origem em alguns Wardens, Watchers e Sentinelas dos Kaldoreis (Night Elfs), que após a destruição causada pela invasão da Burning Legion e destruição da Arvore da Vida (Warcraft3) fazem um acordo que visa a proteção de Azeroth de qualquer ameaça interna ou externa.

“Silldralyns” e “Ordem da Lua Crescente”, são nomes adotados pela ordem em homenagem a primeira Lider da Ordem, a Warden Silldralyn Lua-Crescente (personagem não existe na história do wow, é somente parte do lore da guilda)… a Lua-Crescente além de ser o sobrenome dessa warden também trata-se de uma metáfora da luz da Lua cravando suas garras na Escuridão.

Resumo da História (On-RP) da Guilda até aqui.


Acima, coloquei um resuminho do que levou a formação da Ordem (on-RP), ou seja, de histórias e contextos criados na formação da guilda e não “jogados”.

Abaixo vou fazer uma breve descrição dos acontecimentos que vieram após a guilda está ativa. ou seja, dos plots e contextos que foram criados através de eventos e encontros RP

A Ameaça da Fênix Negra

A Ordem da Lua Crescente foi, por um longo tempo, liderada por uma Kaldorei Sacerdotisa de Elune, Chamada Alistrel Sussurro-da-Lua.

Em seu passado, Alistrel tinha uma antiga aliada Quel'dorei chamada "Kalla", ambas possuíam a ideia de fazer de Azeroth um local mais seguro. Contudo, com o tempo Kalla se corrompeu, acreditando que a única maneira de manter Azeroth segura era se tornando a mais poderosa possível, mesmo que para isso fosse necessário abusar de poderes que ela não conhecia.

Alistrel se colocou contra as ideias de Kalla, afirmando que o abuso de poder sempre trouxe mais problemas que solução a Azeroth... contrariada, a Quel’dorei se afastou de sua antiga aliada.

Anos depois, após os eventos que levaram a destruição de Quel’thalas, Kalla jurou lealdade aos Sin’dorei... encontrando na Horda o terreno fértil para a criação do "Culto da Fênix Negra", um grupo de pessoas que, como Kalla, acreditavam apenas no poder bruto como possibilidade de defesa de Azeroth.

Ordem e Culto guerrearam por um tempo.... Esse conflito só teve fim com a morte de Kalla (que havia assumindo o nome de Kalundra) e destruição de seus locais estratégicos..., porém Alistrel pagou pela paz com a vida... e seu sacrifício, foi o início do fim.

A ordem deveria ficar sob comando de Silf... a Filha de Alistrel, mas ela não ficou no lugar de sua mãe por muito tempo.

Anos de Guerra e conflito deixaram marcas na ordem...
Muitos dos próprios Silldralyns possuíam desafetos uns com os outros e conflitos internos encheram as fileiras da Lua Crescente... sem a mão forte de Alistrel e sem um inimigo e comum... esses conflitos se espalharam...

Silf se afastou... não vendo esperança para um grupo composto por tantos egoísmos e conflitos... e ela não foi a única.

Muitos Silldralyns competentes, como por exemplo Rovania e Loneworg, liderados pelo Alto-Sacerdote Humano Riamond tentaram manter a Ordem em seu caminho..., mas suas ações, embora heroicas e leais, não foram o suficiente... como disse o próprio sacerdote, junto com Silf, muitos se foram.
A Longa Noite sem Lua

A Ordem dispersou... incapaz de ver o sentido do legado de sua mãe naquilo que a Ordem havia se formado, Silf decidiu, embora mantivesse os seus juramentos e carregasse o símbolo da arvore morta em suas vestes, seguir seu caminho sozinha.

Foi nesse momento que a Legião Ardente atacou... sem tempo para buscar uma nova reunião, os outrora Silldralyns foram pegos no meio do conflito mais importante que atingira Azeroth nos últimos tempos...

Alguns foram para batalha por conta própria, outros organizaram novos grupos ou juntaram-se a grupos já existentes... Malteris, ex-Silldralyn e atual Grão-Lorde do Pacto Áureo manteve suas portas abertas para seus antigos aliados, organizando parte do antigo grupo da Ordem dentro de suas próprias fileiras.

Silf, partiu com alguns poucos aliados para as ilhas partidas, atuando como podia para impedir o avanço da Legião...

A Arvore Morta

Com a legião vencida, Silf voltando a Azeroth se deparou com antigos aliados... Nisha Estrela-Negra, Kalystra Sill e Nirhil Sussurro-da-Lua, passaram a insinuar que ela deveria assumir seu lugar como Líder da Ordem e reunir os Silldralyns novamente. Receosa com os motivos que a fizeram se afastar, Silf se mantinha relutante... embora começasse a sentir a verdade nas palavras de seus aliados.

Ela sabia que não poderia fugir de seu destino, mas precisava de tempo para entender a melhor o q de fato isso significava..., mas esse tempo lhe foi negado quando Teldrassil queimou...
A urgência dessa tragédia foi como uma grande e imediata ancora que a puxou para sua responsabilidade e, ao mesmo tempo, como um remover de véu que lhe deu uma nova perspectiva.

Silf nunca duvidara da importância da Ordem e de sua missão... seus receios nunca foram sobre o que a Ordem deveria representar, mas sim sobre o que ela havia se tornado.
Era necessário retomar o ideal para o qual a Ordem havia sido criada... resgatar a memória das sentinelas e guardiãs que deram significado e ideal aos símbolos e juramentos da Ordem.... Silf precisava honrar o legado de sua mãe... e para isso deveria corrigir os erros cometidos por ela.

Por anos a Ordem se colocou contra os diversos males que assolavam Azeroth, buscando ajuda onde quer que conseguia... com o tempo suas tradições e memórias foram dando espaço para novas alianças, concessões... complacência... e isso foi longe demais.

Necessitados de ajuda, aqueles Kaldoreis que outrora foram os pilares da Ordem, sob a liderança de Alistrel, abriram suas portas a todos... inicialmente indiferentes à superficialidade presente no comprometimento de alguns... aos poucos tornando-se negligentes quanto ao distanciamento de seus ideais e juramentos... não deveria ser assim.

Com isso em mente Silf decidiu assumir seu destino... através de seus aliados ela faz o chamado a antigos e novos Silldralyns.

A 15 anos atrás, a destruição de Nordrassil, levou a criação da Ordem... agora, das cinzas de Teldrassil a Ordem irá renascer... retomando as tradições e ideais que levaram a sua primeira formação... através da bênção de Eluna e da liderança dos Kaldorei, os Silldralyns vão se reerguer novamente.
O Processo de desenvolvimento da Guilda até aqui (Análise OFF-RP)

Antes de formar a Ordem por aqui, eu havia jogado por um longo tempo em servidores privados, criando e participando das poucas e esvaziadas guildas rps que eram possíveis de existir nesses contextos.

Com vinda da Blizzard para o brasil, e a facilidade (inclusive financeira) que isso proporcionou, eu passei a jogar na Blizzard, mas inicialmente no reino Gurubashi, pois gostaria de jogar em um servidor onde houvesse um grande número de brasileiros.

Nesse reino, contudo, não houve uma possibilidade muito palpável de desenvolvimento da guilda. Isso mudou quando finalmente foram criados os servidores brasileiros.

Com a vinda da guilda para o Goldrinn, seu real desenvolvimento começou... por um certo tempo fomos uma das poucas (se não a única) Guilda RP nos servidores brasileiros (ou ao menos a única que se mantinha ativa, com eventos constantes)

Isso fez com que muuuuita gente entrasse na ordem não por afinidade com o nosso RP (que ainda estava sendo desenvolvido), mas apenas para fazer parte de um espaço no qual o RP rolasse...

Isso teve frutos muitos bons, a Guilda cresceu rápido... ganhamos uma gama boa de jogadores e muitos eventos e rps foram possíveis.

Mas, é um fato que isso causou, principalmente a longo prazo, um problema conceitual no rp da Ordem.

Isso porque, em termos de história e intenção de RP, tivemos de tudo...
Gente querendo reconquistar Lordaeron, Piratas, Servos de Kirin-Tor, Guerreiros de Arena, Comerciantes... era um verdadeiro pout-pourri de RPs... nem sempre os plots se encaixavam.

Desse modo... o RP foi, por muito tempo, cheio de remendos para dar certo... rs

Não era intenção da Ordem ser uma das únicas guildas de RP do reino, mas ao perceber que isso era uma realidade, assumimos a responsabilidade que essa posição nos trazia... queríamos ampliar e divulgar o RP nos servidores do brasil, ou ao menos no Goldrinn em um primeiro momento.

Por isso, aceitávamos e acolhíamos na guilda todos aqueles que tinham interesse em RP... tentando criar regras e manobras para que os rps se encaixassem... mesmo quando eles eram claramente incompatíveis.

Foi complicado e, a longo prazo, até mesmo nocivo ao desenvolvimento de um RP mais conciso e coerente da ordem... mas, conseguimos atingir a meta principal que era auxiliar a comunidade RP a tornar mais popular.

Agora, anos depois e com uma gama maior de guildas, a ordem não tem mais essa "obrigação" de conciliar todo e qualquer RP... a divulgação e ampliação do RP é levantada hoje por várias guildas e grupos.

Então nesse retorno da Ordem, ela não terá uma abertura tão grande quanto antes... criando um RP mais conciso e coeso dentro da ideia inicial que ela se pretende. Levando em conta algumas premissas importantes, tais como:

    - Foco na Cultura Kaldorei, embora aceite personagens de outras raças.
    (ou seja, harmonia com a natureza a sua volta, resistência a abuso de poderes mágicos e naturais de Azeroth ou de outros mundos, entre outras coisas)

    - Preocupação com a defesa de Azeroth.
    (preocupação em se colocar contra grandes ameaças ou em favor de ações de recuperação e proteção de Azeroth).
Como o RP da Guilda funcionará?

Isso, é claro, vai depender da disposição e intenção dos membros..., contudo, abaixo segue como eu irei contribuir:

Antes, os RPs da Ordem aconteciam principalmente através de eventos. Embora incentivássemos o RP paralelo e casual, ele era raro.
Esses eventos eram frequentes, geralmente ligados a uma cadeia de plots que contavam uma espécie de história com capítulos e eram abertos a todos. Para participar era só estar online e levar seu personagem ao local onde o evento se iniciava.

No que tange a minha atuação no RP da guilda, essa configuração irá mudar um pouco... e será assim por 3 motivos principais:

1 – Fazer eventos nesse molde requer tempo, tanto para prepara-lo, quanto para realiza-lo em si... e isso eu não tenho tanto quanto antes. De modo que seria incapaz de manter uma grande frequência de eventos, tal qual esse modelo precisa.

2 – Antes, qualquer pessoa da guilda podia realizar eventos, mas embora houvesse essa liberdade e mesmo incentivos para que os membros realizassem eventos, infelizmente eles eram raros... o que me obrigava a fazer a massiva maioria dos eventos da guilda.
Nessa nova etapa eu não tenho interesse em segurar essa responsabilidade sozinho e nem pretendo ser o único foco de criação de conteúdo rp na guilda.

3 – Por último, o fato dos eventos serem abertos a todos, fazia com que muitas vezes alguns participantes que não se informavam corretamente sobre a proposta ficassem perdidos, criando uma confusão pra si mesmo e para os demais. Além disso, por haver, como dito acima, pouquíssimas iniciativas RP na guilda fora dos eventos que eu criava, esses eventos eram muitas vezes usados para iniciar ou continuar RPs paralelos. O que, por um lado pode parecer bacana, mas que não necessariamente promovia a participação de todos aqueles que estavam interessados no evento e atrapalhava o mesmo.

Por esses motivos, o modelo pelo qual eu vou contribuir e organizar o RP na guilda nesse retorno será diferente, através do que eu chamo de “Incursões RP”

Essas Incursões RP nada mais são do que eventos com uma organização mais estruturada, sempre determinando um contexto temporal no qual irá se passar, um número mínimo e máximo de participantes e possíveis regras extras que possam haver.

Sobre o contexto temporal:
O WoW tem um grande número de momentos históricos interessantes para explorar. Embora cada expansão traga consigo avanço na história do mundo, não precisamos nos prender a ela. Podendo explorar o contexto histórico de expansões anteriores ou mesmo de momentos que vieram antes daqueles que se iniciaram com o jogo.

A guilda e suas relações no sentido de desenvolvimento (novos postos, liderança e o simples “o que está havendo” por motivos de facilidade organizacional sempre seguirá a lógica da linha do tempo oficial. Alistrel morreu no final do Mist of Pandária e Silf reorganizou a Ordem no logo após a queima de Teldrassil, por exemplo). Contudo, podemos criar incursões que explorem a 3º guerra, ou os eventos da expansão de Burning Crusade. Nesse caso, nos rps ocorridos durante essa incursão estarão em uma espécie de “bolsão temporal” ... muito similar ao que acontece no leveling, por exemplo.

Sobre o número mínimo e máximo de participantes:
Cada evento poderá ter um certo limite de jogadores para que possa ser realizado de maneira mais organizada. Esse limite será organizado através da inscrição do evento e poderá ter outras limitações tais como um determinado tipo de raça, classe, nível... pois a linha temporal pode determinar alguns problemas e o nível pode impedir o acesso de um personagem ao local onde o evento será realizado.

Sobre regras extras:
De maneira geral, a guilda como qualquer outro sistema de rpg possui regras para que possamos nos relacionar dentro de um mesmo paradigma (ou seja que estejamos em um mesmo local de entendimento quanto a símbolos e significados do que ocorre a nossa volta). A Incursão pode reconfigurar esse paradigma dentro do que for mais adequado para sua realização. Por exemplo, como regra a guilda não aceita prelúdios com um grande nível do que chamamos de “God Mod”, ou seja... um poder absurdo (“Eu sou super amigo do Anduin”, “Fui treinado pelo Thrall”, “sou um dragão ancião da revoada obsidiana”, etc), contudo pode haver algum evento que decida explorar exatamente esses nichos... dando a um jogador ou jogadores uma posição de destaque.

Nesse sentido, essas regras são ignoradas nos rps dentro da incursão, embora continuem valendo no rp geral da guilda.
Estrutura do RP e paradigma da Guilda. (as regras de RP que usaremos)

Todo sistema de Roleplay possui regras para que possa ser criado um paradigma único e uma mesma linguagem a todos seus participantes. Algumas limitações são bem óbvias... como por exemplo, se você estiver jogando Vampiro: a Mascará não poderá criar um bruxo de Hogwarts, pois embora esses dois universos possam estar em um locus comum (mundo similar ao real) eles não conversam entre si. Mas existem limitações muito mais sutis e que impactam bem mais a manutenção do RP no WoW, por exemplo:

Digamos que em uma crônica de senhor dos anéis, dois jogadores decidem fazer o primogênito do Aragorn, que teria herdado o trono de Gondor depois da morte de seu pai. Não existe como essas ideias coexistirem, pois por mais que pudéssemos imaginar que eles fossem gêmeos, só um poderia ser coroado rei... e eles certamente deveriam saber um do outro. Desse modo, um prelúdio cria a impossibilidade da existência e realização do outro.

Para que coisas assim não ocorram no wow, devemos criar regras de que tipo de plot pode ou não ser interpretado dentro do RP da guilda, para que ngm seja impossibilitado de viver seu roleplay. Desse modo, teremos sempre algumas orientações e regras para a criação e desenvolvimento de prelúdios e rps dentro da guilda. Essas regras foram, e serão constantemente revisadas. Mas deixo aqui os pontos básicos em cima dos quais elas são criadas.

Incompatibilidade do “God-Mod”
God-Mod como explicado acima é dotar seu personagem de um poder ou destaque muito grande dentro do jogo, fazendo com isso que sua presença necessariamente crie obrigações e limitações ao rp dos outros (Filho do Rei, Principal General da Aliança, Ser um Dragão, ter relações pessoais com grandes personalidades do jogo... etc)

O RP desenvolvido na guilda é incompatível com esse tipo de características, pois, como já dito ela cria problemas na conciliação entre esses rps e os demais. Além de muitas vezes não fazer sentido... (Exemplo: pq uma amiga pessoal e guardiã da Tyrande seguiria a Silf?, uma elfa que a Tyrande nem conhece...)

Respeito ao Lore Oficial.
WoW tem uma história de mundo que está em constante mudança. Expansões e Patchs trazem atualizações dessa história introduzindo eventos e revelações que impactam nossa perspectiva dos acontecimentos.

Essas informações dadas pela Blizzard sempre serão forão e continuam a ser a base para o RP geral da guilda e não podem ser ignoradas.

Essas duas primeiras juntas são limitantes ao uso de magias on-RP que não tem essa descrição (Como usar visão da mente para ler a mente de alguém, por exemplo.)

Ampliação das opções de Criação de Personagem
Essa é uma característica nova dentro das regras de RP da guilda.
Por muito tempo, o RP da guilda exigia a criação de personagens apenas dentro dos moldes propostos pelo jogo, ou seja, apenas com aquelas raças e classes descritas, tendo que assumir a totalidade de seus significados.

Isso era assim para evitar uma imensa confusão de classes e raças diferentes dos moldes e acabar criando problemas para o paradigma geral da guilda.

Contudo, é fato que as opções dadas são bastante limitadas e que o universo do jogo nos fornece possibilidades para amplia-las. Desse modo, agora, com o rp da guilda sendo estruturado de maneira mais concisa e coesa, liberar essas variações parece coerente.

Mas, para evitarmos a confusão que citei antes, qualquer jogador interessado em variar sua classe ou raça para além das oferecidas na criação de personagem, deve seguir algumas regras:

    1- A raça deve existir dentro do universo de WoW (tudo bem vc ser um alto-elfo, mas seria muito estranho se você fosse um Drow, por exemplo.)
    2- A Classe deve existir dentro do universo de WoW ou ser muito similar as existentes. (tudo bem se vc for um duelista (usando ladino fora-da-lei) ou Assassino (usando Caçador de Precisão), mas seria estranho, mas seria estranho que vc tentasse usar o sacerdote das sombras para ser um nazgul por exemplo.
    3- A raça ou classe criada não pode ferir as regras sobre o lore ou sobre o god-mod (Tudo bem vc ser um Vraikal, mas seria incompatível se vc fosse um dragão)
    4- Para fins de imersão, você deve ser capaz de mudar a aparência de seu char (quando necessário) através de algum brinquedo ou trinket, para que seja compatível com sua raça ou classe alternativa.
    5- Você deve criar um bom prelúdio onde esteja exposto o sentido para alguém com as características do seu char fazer parte da guilda)
    6- Você deve expor esse prelúdio a um grupo da guilda que irá analisa-lo e determinar se ele é ou não adequado.


Se seguir essas etapas, vc pode então variar sua classe ou raça sem problemas.
Como ingressar na Guilda

A guilda está linkada nas ferramentas de busca de guildas do jogo, e vc pode buscar por membros para pedir seu ingresso normalmente.

Além disso, você pode entrar no nosso grupo de recrutamento na battle net:
https://blizzard.com/invite/yZW0pZMuR7W

Outra ferramenta que vc pode usar é realizar sua inscrição em nosso site:
https://luacrescente.enjin.com/

Ou ainda, conversar diretamente comigo ou com outro membro disponível para convida-lo.

Com tudo, levando em conta o que foi exposto nos tópicos acima, o ingresso definitivo da guilda passara por algumas etapas:

Novos Membros:
1 – Iremos conversar com você sobre os motivos que o levaram a entrar na guilda e tb sobre a compatibilidade do RP que vc quer fazer com o que a guilda pode oferecer. Aqui, caso cheguemos a uma conclusão de que não existe essa compatibilidade, podemos indicar guildas nas quais você se divertiria melhor, afinal... n existe RP errado, existem apenas propostas diferentes.

2 – Uma vez na guilda, você receberá o posto de “Ingressante” para deixar os demais membros cientes de que você chegou a pouco tempo e pode precisar de ajuda.

Com o tempo você vai ampliando sua participação na guilda, seguindo a direção que lhe for mais divertida.

Membros Antigos
Se vc era da guilda e saiu dela devido a inatividade da mesma, encontrará as portas abertas caso queira voltar. Contudo peço para que esteja atento a essa nova reformulação da guilda para que não seja pego de surpresa com nenhuma mudança.

---
Bom, é isso... no geral os posts ficaram extensos, mas uma reativação depois desse longo tempo precisava de uma explicação adequada aos ajustes que serão feitos.

Até mais
;)
Isso que eu chamo de hype! Quero fazer parte, sinto falta dos tempos da Ordem da Lua Crescente.
tenho mto interesse !
nossa que saudades dessa guilda, voltei na hora certaaaaaa
03/08/2018 17:55Citação de Alistrel
Tudo bem vc ser um Vraikal,
SÓ AGORA QUE TU DIZ ISSO MUNDÍCIA?????? affe
Galera

Editei a mensagem de "Como Ingressar na Guilda" para adicionar o site novo da Ordem: https://luacrescente.enjin.com/

Quem tiver interesse pode dar uma passadinha por lá
O Alistrel como o Lobo são um dos melhores que já vi em termos de RP, fica os parabéns antecipado. Conte comigo, só preciso achar alguém da guilda on para chamar novamente um de meus personagens.

Junte-se à conversa

Voltar ao fórum